CONVENÇÃO COLETIVA BASE FECOMERCIO 2022/2024

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

2022/2024

Sindicato dos Empregados no Comércio de Bens e Serviços de Porto Velho – SINDECOM

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia- FECOMÉRCIO/RO

Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado o representante legal da categoria profissional dos Empregados no Comércio de Porto Velho, em toda sua base territorial, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Bens e serviços de Porto Velho-SINDECOM, entidade sindical de 1° grau, CNPJ 05.668.959/0001-13, carta Sindical 005.069.01766-3, com base no município de Porto Velho e sede  sito Rua Julio de Castilho, 490 – Bairro: Centro, Porto Velho-RO., Estado de Rondônia, neste ato representado por seu Presidente, Senhor: Fernando Rodrigues Teixeira e de outro lado, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-FECOMÉRCIO/RO, entidade sindical de 2° grau, carta sindical 002.214.00000-8, CNPJ 04.919.148/0001-85, com sede na Av. Carlos Gomes, 382, centro, município de Porto Velho, Estado de Rondônia, neste ato representado por. seu Presidente, Senhor:  Raniery Araujo Coelho, e os seus Sindicatos Patronais Filiados, celebram na forma do Art. 611 e seguintes da CLT, reconhecida pelo Art. 7° Inciso XXVI, da Constituição Federal do Brasil de 1988, a presente Convenção Coletiva de Trabalho 2022/2024, em conformidade com as cláusulas e condições seguintes: 

CLÁUSULA PRIMEIRA – VIGÊNCIA E DATA BASE: As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período no período de 1º de março de 2022 a 1º de março de 2024 e a data-base da categoria em 1º de março.

CLÁUSULA SEGUNDA – DA ABRANGÊNCIA: A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá todos os Empregados no Comércio de Porto Velho e os Sindicatos Filiados a Federação do Comercio Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia- FECOMERCIO/RO, que são: Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis, dos Edifícios em Condomínios Residenciais e Comerciais em todo o Estado de Rondônia- SECOVI/RO; Sindicato do Comércio Varejista de Materiais Elétricos e Aparelhos Eletrodomésticos do Estado de Rondônia-SINDIELÉTRICO/RO; Sindicato do Comércio Varejista de Peças e Acessórios para Veículos do Estado de Rondônia-SINDIPEÇAS/RO; Sindicato das Empresas Revendedoras de Materiais de Papelaria e Desenho do Estado de Rondônia-SIMPER/RO; Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado de Rondônia-SINDILOJAS/RO; Sindicato das Empresas de Informática do Estado de Rondônia-SEPD/RO; Sindicato dos Representantes Comerciais Autônomos e Empresas de Representação do Estado de Rondônia-SIRECOM; Sindicato do Comércio Atacadista de Gêneros Alimentícios do Estado de Rondônia-SINGARO; Sindicato de Bebidas do Estado de Rondônia-SIDIBER.


SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

CLÁUSULA TERCEIRA – PISO SALARIAL


O piso salarial da categoria dos empregados no comércio de Porto Velho, a partir de 01 de março de 2022, incidirá os reajustes, abaixo definidos.

§ 1º: As empresas que optarem pelo reajuste de 10,12%, o piso salarial será de R$ 1.360,00 (um mil, trezentos e sessenta reais e oitenta centavos), e para os que aderirem ao REPIS o valor será de R$1.254,00 (um mil, duzentos e cinquenta e quatro reais) mensais, para as empresas que tenham até 11
empregados.

§2º: As empresas que optarem pelo reajuste de 12%, podendo ser aplicadas da seguinte forma, em duas distintas parcelas, a comporem:

I – 6% (seis por cento) destinado a aumento real, em reajuste salarial, o piso salarial será de R$ 1.309,00 (um mil, trezentos e nove reais) e para os que aderirem ao REPIS o valor será de R$ 1.215,00 (um mil, duzentos e quinze reais)
mensais, para as empresas que tenham até 11 empregados;

II – 6% (seis por cento) destinado a vale alimentação, não inferior a R$ 65,00 (sessenta e cinco reais), sendo devido o desconto de 1,00% (um por cento) do valor do empregado;

§ 3º: As empresas que pretendem aderir o REPIS para novas contratações, poderão cadastrar no regime especial do piso salarial até 30 de novembro de 2022;

§ 4º: As empresas já optantes do REPIS deverão renovar seu certificado até 30 de abril de 2022;

§ 5º: As partes firmarão Termo Aditivo, em 01 de março de 2023, sobre o novo piso salarial da categoria.


REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

CLÁUSULA QUARTA – REPOSIÇÃO SALARIAL


Em 1º de março de 2022, os salários de todos os empregados no comércio de Porto Velho, na base territorial do SINDECOM, que não recebem piso salarial da categoria, serão reajustados 10% (dez por cento), a comporem:

I – 5% (cinco por cento) destinado a aumento real, em reajuste salarial, e;
II – 5% (cinco por cento) destinado a vale alimentação, não inferior a R$ 65,00 (sessenta e cinco reais), sendo devido o desconto de 1,00% (um por cento) do valor do empregado.

Parágrafo único. As partes firmarão Termo Aditivo, em 01 de março de 2023, sobre o novo piso salarial da categoria.


OUTRAS NORMAS REFERENTES A SALÁRIOS, REAJUSTES, PAGAMENTOS E CRITÉRIOS PARA CÁLCULO

CLÁUSULA QUINTA – REGIME ESPECIAL DE PISO SALARIAL – REPIS:


Objetivando dar tratamento diferenciado e favorecido às empresas de pequeno porte (EPP’S) e microempresas (ME’S) e manutenção do emprego, fica instituído o regime especial de piso salarial – REPIS, que se regerá pelas normas a seguir estabelecidas:
§ 1º: Considera-se para os efeitos desta cláusula, a pessoa jurídica que aufira receita bruta anual, nos seguintes limites: empresa de pequeno porte (EPP) aquela com faturamento superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais) e microempresa (ME) aquela com faturamento igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais), na hipótese de legislação superveniente que vier a alterar esses limites, prevalecerão os novos valores fixados;

§ 2º: Para adesão ao REPIS, para novas contratações, as empresas enquadradas na forma do caput e parágrafo 1º desta cláusula deverão requerer, até 30/11/2022/2023, a expedição de certificado de adesão ao REPIS através do acesso no site da Fecomércio, www.fecomercio-ro.com.br, por meio do formulário que deverá ser preenchido com os dados da empresa e conter as seguintes informações:

a) Razão social; CNPJ; Número de Inscrição no Registro de Empresas-NIRE; capital social registrado na JUCER; faturamento anual; número de empregados; Código Nacional de Atividades

b) Declaração de que a receita auferida no ano-calendário vigente ou proporcional ao mês da declaração permite enquadrar a empresa como microempresa (ME) ou empresa de pequeno porte (EPP), no Regime
Especial de Piso Salarial-REPIS;

c) Comprovação do pagamento da taxa de adesão, no valor de R$ 243,00, a ser emitido no site da Fecomércio.

§ 3º: O valor da taxa será rateado entre os Sindicatos Patronais e Fecomércio;
§ 4º: Constatado o cumprimento dos pré-requisitos pela Fecomércio e sindicatos patronais filiados, o certificado de adesão ao REPIS será expedido pela Fecomércio, no prazo máximo de até 03 (três) dias úteis, contados a partir da data de recebimento da solicitação, devidamente acompanhada da
documentação exigida. Em se constatando qualquer irregularidade, a empresa deverá ser comunicada para que regularize sua situação, no prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis;

§ 5º: A falsidade da declaração, uma vez constatada, ocasionará o desenquadramento da empresa do REPIS, sendo imputado à empresa requerente o pagamento de diferenças salariais existentes, e eventuais
multas previstas na CLT;

§ 6º: Atendidos todos os requisitos, as empresas receberão da Fecomércio o certificado de enquadramento no regime especial de piso salarial (certificado de adesão ao REPIS), que lhes facultará, até o exercício em curso;

§ 7º: As empresas que protocolarem o formulário a que se refere o parágrafo 2º desta cláusula poderão praticar os valores do REPIS a partir da data do protocolo, ficando sujeitas ao deferimento do pleito. Em caso de indeferimento, deverão adotar os valores previstos na cláusula nominada “piso comercial”, com
aplicação retroativa;

§ 8º: Eventual questionamento relativo ao pagamento de pisos diferenciados previstos nesta cláusula em atos fiscalizatórios do ministério do trabalho ou em eventuais reclamações trabalhistas perante a justiça do trabalho, será dirimido mediante a apresentação do certificado de adesão ao REPIS a que se refere o
parágrafo 5º, desta cláusula;

§ 9º: Na hipótese de assistência sindical nas rescisões do contrato de trabalho, eventuais diferenças no pagamento das verbas rescisórias em decorrência da aplicação indevida do REPIS, quando apuradas, serão consignadas como ressalvas no termo de rescisão do contrato de trabalho.


GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO
CLÁUSULA SEXTA – DA FUNÇÃO DE CAIXA


Aos Empregados que exercem a função de Caixa, haverá um adicional de 10% (dez por cento), sobre o salário fixo, a título de quebra de caixa.


Parágrafo único: Quebra de caixa integrará para o cálculo de aviso prévio, 13º salário, férias e horas extras, apenas aos funcionários já contratados, como direito adquirido. Para as contratações a partir de 01 janeiro de 2018 não integrarão para os cálculos de aviso prévio, 13º salário, férias e horas extras, bem como os encargos trabalhistas, conforme a lei vigente.


ADICIONAL DE HORA-EXTRA

CLÁUSULA SÉTIMA – REMUNERAÇÃO DE HORA EXTRA

As horas extras diárias serão remuneradas com o adicional legal de 60% (sessenta por cento), incidindo o percentual sobre o valor da hora normal.


AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO

CLÁUSULA OITAVA – DO VALE ALIMENTAÇÃO


As empresas que aderirem ao fornecimento de vale alimentação na forma do Art. 58, “A” da CLT, terão o funcionamento regulado da seguinte forma:
§ 1º: Este benefício será praticado de acordo com a legislação do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e será concedido através de cartão alimentação.
§ 2º: Aos dirigentes sindicais liberados, com os direitos assegurados, fica garantido o benefício da alimentação, como se trabalhando estivessem excetuando-se os sábados, domingos e feriados.

§ 3º: As empresas comprometem-se a pagar o valor referente a alimentação até o 5º (quinto) dia útil de cada mês.

§ 4º: O vale alimentação será creditado para todos os funcionários, em cartão magnético único, por instituição a ser credenciada no âmbito da base territorial pelo SINDECOM, não podendo operar sem realizar a sua adjudicação de sua funcionalidade pelo sindicato.

Inciso I – Compete ao Sindicato a formalização de todos os tramites legais, transparentes, céleres e adequados, a fim de credenciar todas as empresas que eventualmente trabalhem no seguimento de fornecimento de cartão magnético para alimentação e refeição, devendo ainda, acompanhar, fiscalizar e processar eventuais falhas ou erros.

Inciso II – Compete as empresas fornecedoras do cartão magnético credenciadas e adjudicadas a atuar no âmbito da competência do SINDECOM, devendo fornecer acesso ao sindicato da plataforma, para que possa fiscalizar, monitorar e proceder o acompanhamento e ajuste necessário a convalidação do benefício ao trabalhador.

Inciso III – As empresas que eventualmente já tenha disponibilizado cartão de vale alimentação em meio magnético aos seus empregados, poderá manter o seu fornecedor, devendo o mesmo em um período não superior a 6 (seis) meses apresentar o credenciamento do fornecedor junto ao SINDECOM.

Inciso IV – É obrigação do SINDECOM manter em seu site lista dos fornecedores credenciados atualizada, com as devidas informações e condições de cada um dos fornecedores.

AUXÍLIO TRANSPORTE

CLÁUSULA NONA – DA CONCESSÃO E DO USO DO VALE TRANSPORTE


Na forma do Decreto Lei 95.247/85, será fornecido vale transporte aos trabalhadores que utilizam transporte público coletivo.

Parágrafo único. Entretanto se o empregador fornecer a seus empregados alimentação em refeitório próprio ou tíquete-refeição que permita ao empregado alimentar-se nas proximidades de seu local de trabalho, torna-se dispensável a exigência desse benefício para refeição em sua residência.


AUXÍLIO DOENÇA/INVALIDEZ

CLÁUSULA DÉCIMA – DA COMPLEMENTAÇÃO DO AUXÍLIO-DOENÇA


Os empregadores complementarão os pagamentos, feito pelo INSS aos empregados afastados por doenças ocupacionais do trabalho ou acidente de trabalho, por 15 (quinze) dias.


AUXÍLIO MORTE/FUNERAL

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – DO AUXÍLIO FUNERAL


Fica assegurado ao empregado que vier a falecer, com mais de um ano de serviço, auxílio funeral no valor correspondente a 01 (um) piso salarial da categoria, pago no ato da rescisão, exceto as empresas que dispõe de seguro.


CONTRATO DE TRABALHO – ADMISSÃO, DEMISSÃO, MODALIDADES
DESLIGAMENTO/DEMISSÃO
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA – DA COMPETÊNCIA NAS HOMOLOGAÇÕES DE RESCISÕES CONTRATUAIS:


Fica facultado a todas as empresas de Porto Velho a homologação no SINDECOM das rescisões de contrato de trabalho dos empregados sindicalizados ao SINDECOM, que contarem com 12 (doze) meses ou mais de serviços registrada em CTPS, apresentarão no ato da homologação, todos os documentos legais inerentes, bem como a observância dos prazos legais, a saber:

§ 1°: As homologações do contrato de trabalho pelo sindicato dos empregados no comercio de Porto Velho (SINDECOM), com ônus deste serviço para trabalhador;
§ 2°: O valor do serviço de homologação do contrato de trabalho, a ser pago pelo COLABORADOR desligado, é de R$ 40.00;

§ 3° O Serviço de conferência de rescisão de contrato de trabalho, a ser pago pelo colaborador desligado, filiado a entidade, terá desconto de 50%;

§ 4°: Os COLABORADORES farão jus ao desconto de 50%, desde que estejam em dia com a tesouraria do SINDECOM;

§ 5°: Para o empregado que for desligado sem o cumprimento do aviso prévio (indenizado), o pagamento das verbas rescisórias deverá ser efetuado em dinheiro ou deposito bancário até o 10° (décimo) dia, contado da data da notificação da demissão;

§ 6°: Para o empregado que for desligado com o cumprimento do aviso prévio, o pagamento das verbas rescisórias deverá ser efetuado em dinheiro no ato da homologação, ou depositado na conta bancária do empregado até o 1º (primeiro) dia útil imediato, ao termino do cumprimento do aviso prévio trabalhado;

§ 7°: As homologações deverão ser efetuadas em até 10 (dez) dias após o desligamento do empregado, desde que o pagamento das verbas rescisórias tenha sido efetuado em dinheiro ou em conta bancária do trabalhador;

§ 8°: As homologações serão realizadas no SINDECOM, no prazo mínimo de 02 (dois) dias úteis para a solicitação de agendamento, devendo ter cumprido os prazos conforme parágrafos 1°, 2° e 3°, devendo a empresa levar toda documentação exigida em Lei.


AVISO PRÉVIO

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – DO AVISO PRÉVIO:


Ao empregado despedido ou que peça demissão, poderá ser dispensado do cumprimento e do pagamento do aviso prévio, quando comprovado a obtenção de novo emprego, desde que avise o empregador com antecedência mínima de 15 (quinze) dias.


OUTRAS NORMAS REFERENTES A ADMISSÃO, DEMISSÃO E MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO

CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA – DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA:


As empresas que tiverem mais de 15 (quinze) funcionários terão empregados específicos para serviços de limpeza em geral, não sendo permitido o uso de mão de obra de funcionários com função específica.


RELAÇÕES DE TRABALHO – CONDIÇÕES DE TRABALHO, NORMAS DE
PESSOAL E ESTABILIDADES NORMAS DISCIPLINARES

CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA – DAS RESPONSABILIDADES PARA VENDAS A PRAZO E CHEQUEPRÉ:


O empregado somente receberá sua comissão, desde que tenha cumprido com as normas e resoluções da empresa.

Parágrafo único: As empresas não poderão utilizar no serviço de cobrança em geral, funcionários, sem que estes tenham sido admitidos em CTPS (exceto quando o mesmo receber comissão pela cobrança), com esta finalidade, exceto vendedores, motoristas e entregadores. Excetuam-se também as demais
funções cujo serviço de cobrança esteja descrito na tabela de atividades descrita na CBO.


CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – DA CONFERÊNCIA DE VALORES:


A conferência de valores em caixa ou tesouraria, será realizada obrigatoriamente na presença do operador responsável, quando este for impedido pela empresa de acompanhar a conferência, ficará o trabalhador isento das responsabilidades cabíveis.
Parágrafo único. A empresa não poderá descontar dos empregados os valores recebidos em cédulas falsas, quando mesma não possuir identificador de cédulas, exceto quando o mesmo deixar de fazer os procedimentos identificatórios.


ESTABILIDADE APOSENTADORIA

CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA – ESTABILIDADE DO EMPREGADO PRESTES A SE APOSENTAR


Os empregados que comprovadamente estiverem a 24 (vinte e quatro) meses de aquisição ao direito de aposentadoria por tempo de serviço ou idade, que conte com o mínimo de 5 (cinco) anos, na atual empresa,
não poderão sofrer despedida arbitrária nos 24 (vinte e quatro) meses que antecedem a aposentadoria, salvo justa causa comprovada.

Parágrafo único. Ocorrendo o desligamento por motivo de aposentadoria o empregado nas condições acima, faz jus a um salário nominal a título de gratificação.


OUTRAS NORMAS REFERENTES A CONDIÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO TRABALHO
CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA – DESCARREGAMENTO DE MERCADORIAS:


O serviço de descarregamento de mercadorias em veículos leves poderá ser efetuado por empregados do sexo masculino da área de atendimento ao público dos estabelecimentos comerciais, desde que as mercadorias não ultrapassem o peso individual de 20 KG.


JORNADA DE TRABALHO – DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS DURAÇÃO E HORÁRIO

CLÁUSULA DÉCIMA NONA – JORNADA DE TRABALHO


Fica estabelecido que a Jornada de trabalho para os empregados no comercio de Porto Velho será de 8 horas diárias, 44 (quarenta e quatro) horas semanais.

Parágrafo único: Para os Empregados das empresas situadas em Shopping Center, abrangidos por essa convenção coletiva de trabalho, será de 44 (quarenta e quatro) horas semanais, com jornada diária de 8 (oito) horas.

COMPENSAÇÃO DE JORNADA

CLÁUSULA VIGÉSIMA – BANCO DE HORAS:


De acordo com a legislação fica a empresa autorizada a negociar diretamente com o funcionário a compensação até 06 meses. A partir de 07 meses, somente através da presente convenção, limitadas a 02 (duas) horas diárias, podendo ser compensadas dentro do período, sem ônus para empresa.

§ 1º: Na hipótese de, ao final de 01 (um) ano, não tiverem sido compensadas todas as horas extras prestadas, as restantes deverão ser pagas como extra, ou seja, o valor da hora normal, acrescido do adicional de horas extras, conforme previsto na CLAUSULA SEXTA, desta Convenção Coletiva de Trabalho;

§ 2º: Em caso de extinção do contrato laboral, por qualquer motivo, as horas trabalhadas, porém não compensadas, serão remuneradas no Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho, com o adicional de horas extras, conforme previsto na CLAUSULA SEXTA, desta Convenção Coletiva de Trabalho;


JORNADAS ESPECIAIS (MULHERES, MENORES, ESTUDANTES)

CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA – DO ABONO DE FALTAS À MÃE COMERCIÁRIA


A comerciária que deixar de comparecer ao serviço para acompanhamento em consultas médicas de seus filhos menores de 14 (catorze) anos, inválidos ou incapazes, no limite de uma vez por 60 dias, e em casos de internações, devidamente comprovadas, terá a suas faltas abonadas até o limite máximo de 05 (cinco) dias, durante o período de vigência da presente convenção.
Parágrafo único. Caso mãe e pai trabalhem na mesma empresa, este benefício poderá ser concedido a um ou outro, alternativamente, a critério do empregador, obedecidas as condições estabelecidas no “caput” desta cláusula.


OUTRAS DISPOSIÇÕES SOBRE JORNADA

CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA – FALECIMENTO DE SOGRO OU SOGRA, GENRO OU NORA:

No caso de falecimento de sogro ou sogra, genro ou nora, o empregado poderá deixar de comparecer ao serviço no dia do sepultamento, sem prejuízo do salário.


CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA – TRABALHOS AOS DOMINGOS


Fica estabelecido que a jornada de trabalho normal de todos os empregados no comércio do Porto Velho será de 44 (quarenta e quatro) horas semanais, e ao comercio varejista e atacadista em geral fica facultado à abertura e/ou funcionamento em todos os domingos do mês, em conformidade com a Lei nº. 10.101/2000,
alterada pela Lei nº. 11.603, de 06 de dezembro de 2007, Art. 6º, observada a legislação municipal, nos termos do Art. 30, Inciso I da Constituição Federal e obedecidas às normas de proteção do trabalho elaborando-se escalas no sentido de ressalvar o direito de que o repouso semanal deverá coincidir, pelo
menos uma vez no período de três semanas, com o domingo;

§ 1°: Havendo necessidade da utilização da mão de obra do comerciário, além da sua jornada normal de trabalho, nos domingos, estas horas serão computadas em 100% horas extras;


CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA – TRABALHO NOS FERIADOS NACIONAIS


Na forma do Decreto 99.647 de 20.08.1990 c/c a Lei nº 605/49, art. 611, parágrafo 1º e 612 da Consolidação das Leis do Trabalho, art. 6º da Lei 10.101 de 19.12.2000, alterada pela Lei 11.603 de 06.12.2007, que acrescentou o art. 60, fica autorizado o trabalho nos dias feriados. Vedada utilização de
mão-de-obra empregada durante o trabalho nos feriados, federais, estaduais e municipais.
§ 1°: De acordo com os termos do art. 611-A CLT, para utilização do trabalho dos empregados, na abertura dos estabelecimentos comerciais nos feriados regulamentados nos Parágrafos Segundo e Terceiro, é necessária às empresas apresentarem o comprovante de repasse da contribuição laboral para o e-mail
SINDECOM; [email protected] ou WhatsApp (69) 9.9989-1750 e a lista dos funcionários que exercerão atividades nos dias de feriado, com antecedência de 48 horas.

Para a Fecomércio no e-mail [email protected] o comprovante da contribuição empresarial, com antecedência de 48 horas

§ 2°: Entende-se como Feriados Nacionais: Os dias 01 de janeiro (confraternização Universal), 21 de abril (Tiradentes), 01 de maio (Dia do Trabalho), 07 de setembro (independência), 12 de outubro (Nossa Senhora
Aparecida/ Dia das Crianças), 02 de novembro (Finados), 15 de novembro (Proclamação da República) e 25 de dezembro (Natal);

§ 3°: Entende-se como Feriados Municipais e Estaduais: os dias 04 de janeiro (instalação do Estado de Rondônia), 24 de janeiro (Fundação do Município de Porto Velho), 24 de maio (Padroeira do Estado de Rondônia), 02 de outubro (Fundação do Município de Porto Velho), serão respeitados conforme sua
decretação e seguirão as mesmas regras dos feriados nacionais;

§ 4°: É inegociável a utilização da mão-de-obra empregada, nos dias 1º de janeiro de (confraternização universal), 01 de maio (Dia do Trabalho), 25 de dezembro (Natal) e com exceção apenas da utilização dos trabalhadores nos setores de segurança/vigilância e de manutenção.

§ 5°: Quando o feriado recair no domingo prevalece o convencionado para o trabalho no feriado, sem prejuízo do DSR;

§ 6°: Pagamento de 100% das horas efetivamente trabalhadas nos feriados. Para os comissionistas puros, o cálculo dessa remuneração corresponderá ao valor a 100% (cem por cento) do valor do descanso semanal remunerado;

§ 7°: Concessão gratuita, pelas empresas do vale transporte de ida e volta do empregado, sem nenhum ônus e/ou desconto para o mesmo;

§ 8°: O disposto nos parágrafos acima não desobriga a empresa a satisfazer as demais exigências dos poderes públicos em relação a abertura de seus estabelecimentos, bem como o cumprimento das demais legislações federais, estaduais e municipais correlatas.


FÉRIAS E LICENÇAS DURAÇÃO E CONCESSÃO DE FÉRIAS

CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA – COINCIDÊNCIA DAS FÉRIAS COM ÉPOCA DO CASAMENTO

Fica facultado ao empregado gozar férias no período coincidente com a data de seu casamento, condicionada a faculdade a não coincidência com o mês de pico de vendas da empresa, por ela estabelecido, e comunicação com 60 (sessenta) dias de antecedência.


SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR CONDIÇÕES DE AMBIENTE DE TRABALHO

CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA – DOS LANCHES


Haverá um intervalo de 10 (dez) minutos para lanche, no período da manhã e tarde, que não serão computados como tempo de serviço efetivo na jornada de trabalho, em escala alternada.


UNIFORME
CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA – DO USO DO UNIFORME


Desde que as empresas exijam que seus empregados trabalhem uniformizados, obriga-se ao fornecimento gratuito, exceto calçados, salvo se o serviço exigir calçados especiais de conformidade com o regulamento de uso e vestuário de cada empresa.

§ 1º: A substituição dos uniformes será feita mediante a entrega do que estiver considerado inservível, no prazo nunca inferior a seis meses de uso da vestimenta a ser substituída.

§ 2º: No fornecimento dos uniformes pelas empresas aos seus funcionários não poderão ser inferiores a 02 (duas) vestimentas completas.

§ 3º: Obriga-se o empregado a zelar pela conservação do uniforme, usando-o somente quando em serviço, por se tratar de material de propriedade da empresa.
§ 4º: Fica obrigado o empregado a cuidar da higiene dos uniformes através da sua lavagem, sem qualquer ônus ao empregador.

§ 5º: É dever do empregado devolver o uniforme no ato do seu desligamento da empresa, sob pena de pagar o valor da peça a ser descontado de sua rescisão contratual, e em caso contrário também ficará responsável pelo seu uso indevido por si e por terceiros.

ACEITAÇÃO DE ATESTADOS MÉDICOS

CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA – ATESTADO MÉDICO E ODONTOLÓGICO


Atendido a ordem de prioridade estabelecida no artigo 75 do Decreto 3.048/99, e entendimento da Súmula nº 15 do TST, serão reconhecidos os atestados médicos e/ou odontológicos.

Parágrafo único. Os atestados médicos deverão obedecer aos requisitos previstos na Portaria MPAS 3.291/84, devendo constar, inclusive, o diagnóstico codificado, conforme o Código Internacional de Doenças (CID), apresentação do atestado médico constando O NÚMERO DO CRM, assinatura do médico e carimbo da unidade de saúde, nesse caso, com a concordância do empregado, bem como deverão ser apresentados à empresa em até 02 (dois) dias de sua emissão.


RELAÇÕES SINDICAIS

ACESSO DO SINDICATO AO LOCAL DE TRABALHO

CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA – DO QUADRO DE AVISO


As empresas permitirão a afixação em seu quadro de aviso, de comunicados de interesse dos empregados, pelo SINDECOM, ficando vedados os de cunho político-partidários ou ofensivos.


CLÁUSULA TRIGÉSIMA – DA SINDICALIZAÇÃO DOS TRABALHADORES


Com o objetivo de incrementar a sindicalização dos empregados as empresas colocarão à disposição do sindicato profissional 01 (uma) vez ao ano, locais e meios para este fim, sendo que o período dessa atividade será convencionado reciprocamente entre as partes desde que a atividade sindical permita não
comprometer o regular fluxo de trabalho nas empresas, e será comunicado por escrito SINDECOM à empresa, o número compatível de pessoas que participarão do trabalho de sindicalização.


GARANTIAS A DIRETORES SINDICAIS

CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA – DA LICENÇA REMUNERADA DE MEMBROS DA DIRETORIA:


As empresas considerarão como licença remunerada o tempo em que os componentes da diretoria ou seus suplentes indicados pelo sindicato, legalmente designados em eleição se ausentarem do serviço, em número não superior a 05 (cinco) dias úteis ao ano, para participação em Congressos, Seminários,
Convenções, Reuniões do Conselho e encontros de natureza sindical, desde que seja comunicado por oficio pelo Presidente do SINDECOM à empresa, com cópia a FECOMÉRCIO, com 10 (dez) dias de antecedência;

Parágrafo único. No impedimento dos membros efetivos e suplentes da diretoria executiva será designado um dos membros do Conselho Fiscal ou suplente.


CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS

CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA – CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL PATRONAL


Por deliberação da Assembleia Geral Extraordinária dos Sindicatos Patronais, do Conselho de Representantes da FECOMERCIO/RO e Resolução CNC 047/2019, objetivando garantir os recursos financeiros necessários à manutenção, prestação de serviços e demais atividades das respectivas
entidades, todas as empresas de Porto Velho, integrantes das categorias do comércio e prestação de serviços, consignadas nesta Convenção Coletiva, deverão recolher aos respectivos Sindicatos Patronais, ou a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-FECOMÉRCIO/RO, no caso das categorias inorganizadas, a Contribuição Assistencial Patronal, em cota única e anual, para empresa de pequeno porte (EPP) e Demais, aquela com faturamento superior a R$ 4.800.000,00 (quatro
milhões e oitocentos mil reais), o valor da taxa será de R$ 600,00 (seiscentos reais), para microempresa (ME), aquela com faturamento igual ou superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais), o valor da taxa será de R$ 200,00 (duzentos reais) e para a MEI, aquelas com faturamento R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais), o valor da taxa será de R$ 50,00 (cinquenta reais).

§ 1º- O vencimento da Contribuição Assistencial será até a data 30 de junho de 2022/2023.
§ 2º- A receita advinda da Contribuição Assistencial terá a seguinte partilha:
a)10% (dez por cento) à CNC;

b)20% (vinte por cento) para a Federação;

c)70% (setenta por cento) para os Sindicatos.

§ 3º – No caso de categoria inorganizada em sindicato, a Contribuição Assistencial firmada pela Federação observara a seguinte partilha:

a)20% (vinte por cento) à CNC;

b)80% (oitenta por cento) à respectiva Federação.


CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA – TAXA ASSESSORIA SINDICAL PATRONAL
Conforme deliberado na Assembleia Geral Extraordinária, ficou aplicável aos integrantes da categoria econômica, a instituição da taxa destinada ao custeio dos serviços sindicais, o valor da taxa única de R$ 200,00 (duzentos reais).
Parágrafo único. O recolhimento será feito por boleto emitido através do site www.fecomercio-ro.com.br, com vencimento até 31/05/2022;


CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA – CONTRIBUIÇÃO NEGOCIAL/LABORAL
Fica instituída e considera-se válida a contribuição negocial/laboral, com fundamento no que dispõe o inciso IV do art. 8º da Constituição Federal, expressamente fixada nesta convenção coletiva de Trabalho,
aprovada em assembleia dos empregados, para custeio da entidade sindical profissional, em decorrência das negociações coletivas trabalhistas, a ser descontada pelas empresas nos contracheques dos empregados, uma vez ao ano, na data prevista neste ACT, na forma dos parágrafos seguintes.

§ 1º: A contribuição negocial é devida a todos os trabalhadores beneficiados pela presente convenção coletiva, que é fruto de trabalho árduo desta entidade, e decidida em assembleia com os trabalhadores e com base no artigo 513 da CLT a qual preleciona “são prerrogativas dos sindicatos impor contribuições a todos aqueles que participam das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas.”

§ 2º: Os valores das contribuições previstas no caput desta cláusula correspondem a 3,33% (três vírgula trinta e três por cento) do valor do salário bruto, devido ao empregado, com o limite máximo de R$ 99,00 (noventa e nove reais), devendo o desconto ser no mês de março de 2022, e o repasse até o dia 10 do mês subsequente, sob a rubrica de “contribuição negocial laboral”.
§ 3º: Esta cláusula não se aplica ao empregado aprendiz a que se refere o art. 428, da CLT.

§ 4º: Os valores deverão ser creditados em favor da entidade sindical profissional, através de boleto, solicitado pelo e-mail: [email protected]

§ 5º: As empresas encaminharam a entidade profissional cópia dos boletos da contribuição negocial/laboral com a relação nominal dos empregados, com 40 dias após o desconto.

§ 6º: Ainda, considerando a redação atribuída ao art. 611-A da CLT determina a prevalência das normas coletivas (acordos e convenções) sobre os dispositivos legais, quando dispuserem sobre temas como jornada de trabalho, intervalo intrajornada, modalidade de registro da jornada, entre outros.

§ 7º: O colaborador contribuinte tem o direito de solicitar junto ao SINDECOM sua carteirinha/cartão de convênios gratuitamente, a qual pode ser compartilhada por seus dependentes, para utilizar da rede de convênios e eventos.
§ 8º: Os empregados admitidos após a data-base serão descontados no primeiro pagamento de seu salário, sendo-lhes facultado o exercício do direito de oposição, conforme previsto no parágrafo 10º desta cláusula.

§ 9º: O recolhimento da contribuição assistencial efetuado fora do prazo mencionado no parágrafo segundo será acrescido de multa de 2% (dois por cento) nos 30 (trinta) primeiros dias. Ocorrendo atraso superior a
30 (trinta) dias, além da multa de 2% (dois por cento), correrão juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, sobre o valor principal.

§10º: Os empregados, devidamente comprovado por meio da CTPS, poderão exercer o direito de oposição à contribuição prevista nesta cláusula, a ser manifestado de maneira individual, pessoalmente, por escrito e de próprio punho, contendo o nome, o RG, CPF, e-mail, WhatsApp e telefone fixo do empregado, bem como a identificação completa da empresa, inclusive nome, CNPJ e endereço, no prazo de até 10 (dez) dias úteis após a assinatura desta norma, que estará disponível no site do sindicato no dia seguinte ao de sua
celebração, em 2 (duas) vias, e ser entregue na sede do sindicato, das 9h00hs às 12h00hs., observados os protocolos de segurança e proteção contra a COVID-19, sem outras formalidades. No caso de admissão do empregado após a data base, este poderá exercitar seu direito de oposição no prazo de até 10 (dez) dias úteis do início do contrato de trabalho, apenas de segunda a sexta-feira, das 09h00hs às 12h00hs, somente na sede da entidade sindical.


DISPOSIÇÕES GERAIS

MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS

CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA – DA DIVERGÊNCIA DE CUMPRIMENTO


As divergências, descumprimentos, resultantes da aplicação ou inobservância do presente CCT 2022/2024 será dirimida pela Justiça do Trabalho do TRT da 14ª Região. As partes consagram como princípio fundamental para a efetivação desta CCT, o foi trazido pela reforma trabalhista, que em seu artigo, 611-A da
CLT determina a prevalência das normas coletivas (acordos e convenções) sobre os dispositivos legais, na prevalência do acordado sobre o legislado.


DESCUMPRIMENTO DO INSTRUMENTO COLETIVO

CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA – DA MULTA POR DESCUMPRIMENTO

Na hipótese de violação da presente Convenção Coletiva de Trabalho, o sindicato patronal e laboral, empresas e empregados, serão passíveis de multa de 1 e 1/2 (um e meio) piso da categoria; nas reincidências aplicada a multa em dobro.
Parágrafo único. O sindicato laboral fará uma advertência expressa a empresa, na primeira infração.


OUTRAS DISPOSIÇÕES

CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA – DIA DO COMERCIÁRIO

Fica convencionado que a data comemorativa do dia COMERCIARIO de Porto Velho será no dia 30 de outubro, não sendo feriado.


FERNANDO RODRIGUES TEIXEIRA
PRESIDENTE
SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE PORTO VELHO
RANIERY ARAUJO COELHO
PRESIDENTE
FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DE RONDONIA
ANEXOS
ANEXO I – ATA ASSEMBLEIA SINDECOM
Anexo (PDF)

One thought on “CONVENÇÃO COLETIVA BASE FECOMERCIO 2022/2024

  • 12 de maio de 2022 em 09:04
    Permalink

    Bom dia, teria a versão assinada em pdf? Preciso alimentar um portal da empresa na qual presto serviço e estão recusando esse do site, ficam pedindo uma versão protocolada e assinada.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.